« Home | It's the end of the world as we know it » | (Por falar nisso, » | O efeito Larsson, 2.2 » | Esta é que é a anedota do (boole)ano » | Grandes questões da musicalidade portuguesa » | Lá diz o povo: se não podes vencê-los, atropela-os... » | Lá conseguiram fechar o Pirate Bay... » | Semen? Ya, mas só de nome » | Noves fora nada (descubra as diferenças) » | 'Tis coming » 

27 agosto 2009 

Breviário de fitas: Au revoir les nazis

Inglourious basterds, Quentin Tarantino

«You know somethin', Uitivich? I think this just might be my masterpiece.»

Para lá de todas as expectativas, para lá de todas as polémicas, o que mais fascina no regresso de Tarantino é a completa subversão, logo aos primeiros acordes do genérico - subversão não só dos géneros cinematográficos (dos filmes de guerra ao western-spaghetti), mas também dos clichés, das personagens, das próprias regras do jogo narrativo e, sobretudo, da História. Tão próximo de Kill Bill e de Dirty Dozen como longe de Pulp Fiction e de Patton, a história destes ingloriosos patifes (liderados por um Brad Pitt em formato mashup de Major Reisman com George W. Bush) é simplesmente a da vingança de uma mulher, na qual acabam por ser actores secundários, embora indispensáveis. Que o verdadeiro duelo é entre a fugitiva judia e o oficial nazi (e eis onde reside o trunfo maior: na extraordinária interpretação de Christoph Waltz - um vilão que baloiça constantemente entre a caricatura, a roçar o desenho animado mais slapstick, e a mais genuína e mesquinha maldade). Mas para lá de todas as boas interpretações , para lá de tudo o que venha depois e de todas as suposições e opiniões e críticas e elogios, o que se esconde no regresso de Tarantino é, tão discretamente, uma homenagem (muito à lá Tarantino) ao cinema europeu.
_________

Etiquetas:

Links to this post

Criar uma hiperligação

B.I.

Coisas Breves

Powered by Blogger
and Blogger Templates