« Home | Breviário de leituras: A rapariga que sonhava com ... » | Words from the wise (14) » | E agora, » | Too soon? » | Breviário de leituras: Os homens que odeiam as mul... » | Fonte da Telha, capital do kitsch » | E ao terceiro dia... » | Super bock, infra rock? » | Words from the wise (13) » | The near death of Bunny Munro » 

06 agosto 2009 

Breviário de fitas: Chicago melodrama

Public enemies, Michael Mann

«We're having too good a time today. We ain't thinking about tomorrow.»

Sereno, subtil, inteligente: longe do que se esperaria de um filme de gangsters; nada de estranho para Michael Mann. Mas mais do que um filme de gangsters na tradição de Hollywood (seja a dos velhos clássicos, seja a dos da geração de 70), o novo de Michael Mann é, sobretudo, um duelo. Como em Colateral, como em Heat, este Public Enemies é uma eloquente perseguição, um moroso jogo do gato e do rato, jogado por duas personagens de convicções fortes mas tão cinzentas como a vida. Só que desta vez não há um, mas dois duelos: entre o Dillinger criminoso e o seu perseguidor Purvis e entre o Dillinger apaixonado e a sua perseguida Frechette. No vértice do triângulo, um mesmo Johnny Depp, tão discretamente brilhante que quase ofusca a luz de Marion Cotillard e a precisa batuta de Michael Mann. E depois há aquela última cena, aquele último diálogo, ponto final parágrafo de antologia, que só por si faria qualquer filme figurar no panteão das obras-primas.
__________

Etiquetas:

Links to this post

Criar uma hiperligação

B.I.

Coisas Breves

Powered by Blogger
and Blogger Templates