« Home | Esta season está para lá de silly » | Breviário de fitas: micro-clássico condensado em v... » | Quando quatro matemáticos se reúnem na silly seaso... » | Breviário de leituras: Platão e um ornitorrinco en... » | Kind of cool (finalmente posso cancelar a inscriçã... » | Kind of blue (isto anda tudo ligado) » | Outtakes de campanha, 2: os cartazes que Ferreira ... » | Outtakes de campanha, 1: o cartaz que Sócrates rec... » | «It works?! It works! I finally invent something t... » | A loja de discos, o questionário... » 

19 agosto 2009 

E a vários quilómetros de distância, um executivo da Marvel esfrega as mãos de contente

«As origens do Super-Homem já não podem ser relatadas como até agora. Por causa de uma decisão do tribunal, será necessária uma autorização dos descendentes de Jerry Siegel – o co-criador da personagem – para contar a história do bebé originário de Krypton (o planeta em potencial destruição) que é enviado para a Terra e acolhido pelos Kent. Tudo porque Siegel inventou a história antes de ser contratado pela revista “Detective Comics”.»

É que «As leis americanas sobre copyright afirmam que, se as criações forem efectuadas já durante o contrato, os direitos pertencem à publicação. Tendo em conta que grande parte da história sobre o “Homem de Aço” já foi desenvolvida durante as publicações, apenas a parte referente às origens do super-herói estão agora no poder dos descendentes de Siegel, podendo apenas ser mencionada mediante autorização.»

Será que a legislação e a burocracia vão conseguir levar avante o que nem Lex Luthor nem carradas de vilões munidos de kryptonite conseguiram?

Links to this post

Criar uma hiperligação

B.I.

Coisas Breves

Powered by Blogger
and Blogger Templates